Fazer vinho é uma paixão, uma aventura e um mistério. É a capacidade de extrair da terra os seus sabores mais profundos e secretos. Um vinho deve ter uma filosofia, um carácter e uma autenticidade que resultam do seu terroir.

Símbolo da vida, as videiras combinam fragilidade e tenacidade, que resulta na sua capacidade de crescer e singrar em ambientes quase estéreis. Os esforços das videiras em entrarem no solo adverso melhoram a qualidade do vinho. Talvez por isso, as videiras gostam de sofrer e prefiram os montes íngremes e os rios.

São as dificuldades e convicções que revelam o carácter, tanto de um vinho como de um homem. A Vasques de Carvalho tem muito em comum com as videiras da encosta do Douro: autenticidade, teimosia, resistência e paciência.

Vivemos entre dois tempos: a tradição e o progresso. Trabalhamos com duas palavras: a experiência e a inovação. Movemo-nos entre duas atitudes: o talento e a dedicação.

Acreditamos que a interacção do homem com a terra, a autenticidade do local, a proveniência das uvas e o trabalho do tempo são fundamentais. Sabemos a importância da capacidade de escutar a terra e sentimos um enorme respeito pelas práticas agrícolas seculares. E porque um vinho não resulta apenas da geologia, topologia, clima, acrescentamos-lhe a vontade da alma humana e o nosso ADN.

A recompensa pela paciência, pelo entusiasmo e pela audácia resulta em vinhos com perfis próprios, únicos, preservando a tipicidade dos vinhos durienses e evidenciando as propriedades e características únicas do terroir, que nos orgulhamos de assinar.

De vez em quando, os deuses do vinho surpreendem-nos e dão-nos um vinho raro, manifestação apaixonada da nossa filosofia e valores: o respeito pela terra, a produção local, os stocks limitados e a personalidade da marca Vasques de Carvalho.

DAR VOZ AO VINHO

O ENÓLOGO

Quando as videiras despertam da sua dormência, é o enólogo quem dá voz ao vinho. Verdadeiro entendedor das línguas que o vinho fala, assina as suas obras como autor, simultaneamente cientista e artista.

Há quem tenha o talento de transformar a sua paixão na sua profissão. O Engº Jaime Costa, apaixonado pelo vinho do Porto, regressou à sua paixão e à sua região, a Régua. Com o Curso Superior de Enologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, foi Enólogo durante 16 anos na J.W.Burmester, mais tarde na MURÇAS LDA, Enólogo e Responsável pela Vinificação da Adega de José Carlos Sousa Pimente. l/Manuel Cleto Sampaio (Castedo do Douro) de Vinhos Generosos e DOC Douro, assim como da Produção, Planeamento e Engarrafamento na Quinta de Cabriz.

Juri e provador em concursos nacionais e internacionais, participou em gabinetes de estudo de provas no IVDP sobre aferição de critérios de qualidade para diversas categorias de Vinho do Porto.

Eleito Enólogo do Ano em 2005 para Vinhos Generosos, pela Revista de Vinhos e Confrade da Confraria do Vinho do Porto, encontrou na Vasques de Carvalho as preciosidades e relíquias de stocks, assim como as condições que todo o enólogo ambicioso gostaria de ter para criar vinhos inesquecíveis.